Sim ele era ateu, mas em contrapartida vivia o maior mandamento da Bíblia – amar o próximo, afirmou a esposa de Ricardo Boechat

Ricardo Boechat apesar de não ser um credente, era um exemplo ao praticar o verbo amar, e amar o próximo era algo que ele sabia fazer com amor e dedicação.

Ricardo Boechat faleceu nessa ultima segunda-feira em um tragico acidente na Rodoanel, lamentavelmente deixou a esposa e duas filhas e inevitavelmente comoveu todo o Brasil, primeiro pela pessoa que era,  pelo jornalista corajoso e comprometido e principalmente por ser uma pessoa que carregava um coração enorme, o qual amava o próximo mesmo não sendo credente.

Seu velório teve inicio ontem as 23h no Museu da Imagem e do Som (MIS), em São Paulo. No lugar compareceram muitos amigos, famosos, jornalistas, parentes e tantos outros, todos imensamente comovidos pela tragédia que tirou a vida do jornalista em um sopro.

A comparecer no museu antes de todos foi a esposa Veruska Seibel, as duas filhas mais novas, Valentina, 12 anos, e Catarina, 10 e com grande comoção, bastante transtornada e sofrida, Seibel fez questão de afirmar que Ricardo Boechat era ateu, mas diferentemente de muitos, mesmo sendo ateu, ele praticava o mandamento mais importante de todos, que é o amor ao próximo”.Clique na seta abaixo, após a publicidade, para continuar lendo a matéria.

PRÓXIMA PÁGINA
1 / 2